Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Restam apenas dez botos-do-pacífico no mundo, dizem cientistas

    População de vaquitas está ameaçada de extinção; pesquisadores dizem, porém, que ainda é possível salvá-las

    Uma mãe vaquita (à direita) e seu filhote (à esquerda) podem ser vistos ao subirem nas águas de San Felipe, Baja California, no México.
    Uma mãe vaquita (à direita) e seu filhote (à esquerda) podem ser vistos ao subirem nas águas de San Felipe, Baja California, no México. Paula Olson/NOAA

    Ashley Stricklandda CNN

    Ouvir notícia

    O menor mamífero marinho do mundo está tão ameaçado de extinção que existem apenas cerca de dez animais em seu único habitat, localizado no Golfo da Califórnia, no México.

    Mas isso ainda pode não significar o fim do boto-do-pacífico, ou vaquita, de acordo com uma nova pesquisa.

    As vaquitas estão à beira da extinção devido ao uso de uma rede ilegal, que é utilizada para capturar camarões e peixes totoaba que compartilham o mesmo habitat dos botos. As vaquitas, que têm cerca de 1,2 a 1,5 metro de comprimento, acabam sendo “capturas secundárias”, pois não são o alvo pretendido das redes.

    O peixe totoaba, cujo status é vulnerável na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza, tem uma bexiga natatória valorizada na China e usada na medicina tradicional –e até vista como um investimento financeiro. O México proibiu a pesca de totoaba e tornou ilegal a rede de emalhar onde os botos vivem, mas a prática continua inabalável.

    Com uma população tão pequena, pesquisadores questionaram se as vaquitas estavam em maior risco de extinção devido à endogamia.

    Os cientistas Barbara Taylor e Lorenzo Rojas-Bracho, que estudam esse risco há mais de 20 anos, publicaram um artigo de 1999 sugerindo que a “hipótese do destino” da endogamia não pode ser confirmada. Isso é importante porque se um animal é considerado “condenado à extinção” por esse motivo, os esforços de conservação podem não ser realizados, disse Rojas-Bracho.

    Agora, uma equipe de cientistas –incluindo Taylor e Rojas-Bracho– estudou padrões genéticos de amostras de tecido de vaquita coletadas entre 1985 e 2017 por pesquisadores mexicanos. Taylor é cientista sênior do Centro de Ciências Pesqueiras do Sudoeste da Administração Oceânica e Atmosférica em La Jolla, Califórnia, e Rojas-Bracho é biólogo conservacionista e membro da Comissão Nacional de Áreas Protegidas do México.

    “Quem teria pensado que várias décadas depois essas mesmas amostras poderiam nos dizer tanto”, disse o coautor do estudo, Rojas-Bracho, em um comunicado. “A genômica não só nos dá pistas sobre o passado da espécie, mas também nos permite espiar o futuro”.

    E acontece que esses pequenos botos têm resiliência suficiente codificada em sua genética para se recuperar se o uso da rede ilegal for interrompido. Um estudo detalhando as descobertas foi publicado nesta quinta-feira (5) na revista Science.

    “Se pudermos permitir que esses animais sobrevivam, eles podem fazer o resto”, disse a coautora do estudo Jacqueline Robinson, pesquisadora de pós-doutorado na Universidade da Califórnia, em São Francisco, em um comunicado. “Geneticamente, eles ainda têm a diversidade que os permitiu prosperar por centenas de milhares de anos, até que as redes de emalhar chegaram”.

    Pequeno, mas próspero

    As informações genéticas dos vaquitas mostram que eles surgiram há cerca de 2,5 milhões de anos e se adaptaram à vida nas águas rasas do norte do Golfo da Califórnia.

    Nos últimos 250 mil anos, a população flutuou de alguns milhares para cerca de 5.000 vaquitas –o que é raro quando comparado com outros mamíferos marinhos. O fato de terem mantido uma população pequena por tanto tempo ajudou a reduzir os riscos de endogamia, pois possuem menos variação genética entre eles. Uma pesquisa abrangente da população em 1997 mostrou que havia 570 botos, mas esse número diminuiu muito nos últimos 25 anos.

    Os animais também sofrem mutações genéticas menos prejudiciais associadas a pequenas populações. Quando animais com características genéticas negativas acasalam, é mais provável que seus descendentes morram.

    No caso dessa população, isso realmente ajudou a eliminar características nocivas de se espalharem pela população de vaquitas.

    As vaquitas são pequenas e rápidas, por isso raramente são capturadas na câmera. / Chris Johnson/WWF

    “Eles são essencialmente o equivalente marinho de uma espécie insular”, disse Robinson. “A falta natural dos botos-do-pacífico permitiu que eles eliminassem gradualmente variantes de genes recessivos altamente deletérios que podem afetar negativamente sua saúde sob endogamia”.

    Variantes raramente aparecem em populações maiores de animais porque é mais improvável que dois animais com essas características se encontrem e acasalem. Mas quando uma população diminui rapidamente, essas chances aumentam e seus descendentes experimentam “depressão endogâmica”. Isso enfraquece sua saúde e pode levar uma espécie à extinção.

    “Uma visão predominante na biologia da conservação e genética populacional é que pequenas populações podem acumular mutações deletérias”, disse o autor sênior do estudo Kirk Lohmueller, professor associado de ecologia e biologia evolutiva e de genética humana da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA), em um comunicado.

    “No entanto, nossa descoberta de que a vaquita provavelmente tem menos mutações fortemente deletérias escondidas na população significa que elas estão mais bem preparadas para sobreviver à endogamia futura, o que é um bom presságio para sua recuperação geral”.

    Como salvá-los

    As redes de emalhar representam a maior ameaça porque fazem com que os botos se afoguem.

    Os pesquisadores fizeram simulações, com base nas informações genéticas das vaquitas, para ver qual cenário funcionava melhor para protegê-los e calcular seu risco de extinção nos próximos 50 anos.

    Retirar imediatamente as redes de emalhar de seu habitat foi a melhor aposta para a sobrevivência dos animais. Infelizmente, mesmo o uso modesto de redes de emalhar pode diminuir suas chances de recuperação. Se as mortes de vaquitas como captura acessória diminuírem em 80%, 62% da população ainda poderá ser extinta, de acordo com o estudo.

    “A sobrevivência dos indivíduos e das espécies está em nossas mãos. Há uma grande probabilidade geneticamente de que eles possam se recuperar, se os protegermos das redes de emalhar e permitirmos que as espécies se recuperem o mais rápido possível para números históricos”, disse o coautor Phillip Morin, geneticista molecular de pesquisa no Southwest Fisheries Science Center da NOAA Fisheries, em um comunicado.

    Pesquisas também foram realizadas para observar algumas das poucas vaquitas restantes, e os pesquisadores ficaram satisfeitos ao ver que elas pareciam saudáveis ​​e até tinham filhotes nadando com elas, o que significa que estão se reproduzindo ativamente.

    “Os botos-do-pacífico têm pouco tempo restante”, disse o coautor do estudo Christopher Kyriazis, estudante de doutorado em ecologia e biologia evolutiva da UCLA, em um comunicado. “Se os perdermos, seria o resultado de nossas escolhas humanas, não de fatores genéticos inerentes.”

    Os cientistas continuam monitorando ativamente a população de vaquitas. Os pesquisadores acreditam que sua abordagem para este estudo pode ser usada para prever o risco de extinção de outras espécies ameaçadas com base em sua genética.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN