Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cresce circulação de sub linhagens da Ômicron na África do Sul, diz professora

    Parcela crescente dos casos de Covid-19 no país estão associados às sub linhagens BA.4 e BA.5 da variante Ômicron do novo coronavírus, diz a professora Helen Rees

    Adene Sanchez/Getty Images

    Reuters

    Ouvir notícia

    A professora Helen Rees, da África do Sul, afirmou, nesta quinta-feira (28), que uma parcela crescente dos casos de Covid-19 no país estão associados às sub linhagens BA.4 e BA.5 da variante Ômicron do novo coronavírus.

    Segundo Helen, os achados sugerem que as cepas possam ter uma vantagem de disseminação sobre as outras.

    Em uma entrevista à imprensa da Organização Mundial da Saúde (OMS), a especialista acrescentou que, apesar do aumento das infecções por Covid-19, a África do Sul não apresenta um grande aumento na mortalidade ou internações em unidades de terapia intensiva (UTIs) até o momento.

    Monitoramento de variantes

    A variante Ômicron do novo coronavírus continua sendo a linhagem predominante em circulação no mundo. Entre as 257.337 sequências disponibilizadas no banco de dados internacional Gisaid, a partir de amostras coletadas nos últimos 30 dias, 256.684 (99,7%) eram Ômicron, 47 (<0,1%) eram Delta e 555 (0,2%) sequências não foram atribuídas a uma linhagem.

    A OMS pondera que embora a diminuição nas sequências seja consistente com a tendência geral de diminuição em novos casos, os índices também podem refletir mudanças nas políticas de vigilância epidemiológica em alguns países.

    Diante das mudanças nas estratégias de amostragem e sequenciamento, a OMS recomenda a manutenção da vigilância genômica do vírus pelos países.

    Desde o surgimento da Ômicron em novembro de 2021, o vírus continuou a evoluir, dando origem a muitas linhagens descendentes e recombinantes. A OMS afirmou que monitora continuamente as diferentes linhagens e que a diversificação genética da Ômicron indica uma pressão do vírus pela adaptação aos hospedeiros humanos.

    De acordo com a OMS, cada linhagem possui mutações adicionais ou diferentes. No entanto, os impactos de cada mutação ou constelação de mutações não são bem conhecidos atualmente pela comunidade científica, o que requer o monitorando de quaisquer alterações associadas na epidemiologia da doença.

    (Com informações de Lucas Rocha, da CNN)

    Mais Recentes da CNN