Roberto Jefferson e Flordelis vivem situações opostas em seus partidos

Enquanto o advogado conta com apoio da cúpula do PTB, a pastora tem os dias contados no PSD

O presidente do PTB, Roberto Jefferson
O presidente do PTB, Roberto Jefferson Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Pedro Duran, da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Uma pequena comitiva da alta cúpula do PTB desembarcou no Rio de Janeiro no início da tarde desta sexta-feira (13). Além da vice-presidente nacional do PTB, Graciela Nienov, vieram a chefe da comunicação do PTB, Rafaela Armani, e o presidente do partido em Pernambuco, Coronel Meira, que são próximos de Roberto Jefferson.

Meira foi inclusive o indicado pessoal de Jefferson para uma intervenção no diretório depois que o ex-senador Armando Monteiro declarou apoio a candidatura de Marília Arraes (PT) no 2° turno contra João Campos (PSB) na corrida à prefeitura de Recife. Pelo telefone ele falou com Jefferson momentos antes de prisão. À CNN, ele relatou que Jefferson estava ‘surpreso’ com o pedido de prisão, mas que tinha ‘decidido não fugir’, portanto esperaria a Polícia Federal em sua casa na cidade de Comendador Levy Gasparian, no interior do estado.

Já Graciela, gravou um vídeo dizendo que “o partido está 100% unido” a Roberto Jefferson, chamando a prisão de “arbitrária e ilegal”. “Hoje foi com o PTB, amanhã poderá ser com qualquer outro conservador e bolsonarista”, disse na mensagem gravada. “Não é só uma afronta à nossa liberdade, mas sim uma demonstração de força do nosso poder jurídico”, afirmou.

Nos bastidores, deputados descontentes articulam uma debandada do partido – como noticiou a CNN mais cedo. Mas aqueles que de decidiram ficar, defendem a liderança de Jefferson e sugerem que outros virão. 

Cassada em votação expressiva na última quarta-feira, Flordelis tem os dias contados no PSD. O partido do ex-ministro Gilberto Kassab já tomou todas as providências para a expulsão, que deve acontecer nos próximos dias. Com uma acusação mais grave, de participar do homicídio do ex-marido, o pastor Anderson do Carmo, ela teve o mandato encerrado por 437 votos a 7.

Em nota enviada à CNN, o PSD diz que já considera a pastora evangélica ‘desligada’ do partido. “O PSD, a partir da cassação do mandato na Câmara Federal, está adotando as medidas para a expulsão formal. Como já estava suspensa, ela já está, na prática, desligada da legenda”, diz o texto.

Mais Recentes da CNN