Processo das prévias frustrou o PSDB, diz Bruno Araújo

Presidente afirma que a legenda visa permitir que todos os filiados votem para escolher o representante que irá concorrer à Presidência da República

Douglas Portoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente do PSDB, Bruno Araújo, afirmou, nesta segunda-feira (22), em entrevista à CNN, que a falha no aplicativo utilizado para a realização das prévias, no último domingo (21), frustrou o partido.

O PSDB está escolhendo entre João Doria, governador de São Paulo, Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, e Arthur Virgílio Neto, ex-prefeito de Manaus, para ser o candidato da legenda à Presidência da República.

“Não obstante, da disputa política, que é absolutamente legitima, e faz bem para o processo, dói aqui, dói ali, mas tem tempo para curar com a capacidade de liderança de quem venha a ser escolhido. Claro que ela ficou aguçada com um processo que frustrou o partido e os filiados quando o aplicativo que não entregou a expectativa que nós tínhamos”, afirmou Araújo.

“Tivemos o dissabor do aplicativo só funcionar durante um período. A Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS) está investigando as causas e tentando trabalhar para colocar isso de pé.”

O partido pretende definir sobre a situação do aplicativo até às 12h da da terça-feira (23).

Mais cedo, o PSDB afirmou que a votação das prévias será concluída até o domingo (28). Segundo nota oficial, a decisão foi tomada em conjunto pela direção do partido e pelos três pré-candidatos, segundo o partido. Entretanto, a informação não é confirmada por Eduardo Leite.

Araújo diz que a obrigação do partido é objetiva: “permitir que os quase 40 mil filiados que faltam exerçam seu direito.”

“Nós temos 65% dos votos colhidos em urna eletrônica do TRE depositados o resultado em envelopes lacrados. Mas precisamos concluir o processo. Independente da disputa que se dá entre três candidatos, nós estamos falando de respeito ao filiado, ao concluir o processo até no máximo no domingo”, continua.

 

Mais Recentes da CNN