Bolsonaro busca lembrar eleitores que representa “direita real”

Aliados do presidente dizem à CNN que retomada de críticas ao STF atende a uma necessidade eleitoral de reforçar apelo a uma parcela da população

Renata AgostiniDaniela Limada CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente Jair Bolsonaro (PL) retomou nesta semana críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) e a ministros da Corte, trazendo à tona a postura belicosa que marcou boa parte de sua Presidência.

Para aliados de Bolsonaro, o movimento atende a uma necessidade eleitoral: ele precisa mostrar para uma parcela da população que representa a “direita real” — o ex-ministro Sergio Moro (Podemos) seria uma direita “genérica”.

Por isso, além de mirar o STF, o presidente fez afago a aliados bolsonaristas que são alvo de processos na Justiça e criticou a exigência de vacinação, além de resvalar novamente no ceticismo em relação às urnas eletrônicas.

Um auxiliar do presidente afirma que ele tem demonstrado irritação crescente com o avanço de inquéritos e a intimidação de aliados, incluindo integrantes do Palácio do Planalto. Por isso, decidiu externar seu descontentamento.

A leitura, no entanto, de que Moro pode conseguir emplacar o discurso de representar, de fato, a direita tem ganhado tração entre a classe política. Lideranças do Congresso debatem essa possibilidade diante do abraço de Bolsonaro ao Centrão.

Ao se filiar ao PL e consolidar sua parceria com partidos de histórico fisiológico, ele poderia acabar identificado como o candidato do Centrão, e não do campo da direita.

O novo arroubo retórico de Bolsonaro não surpreendeu nem ministros do Supremo nem integrantes do Centrão. Um ministro do STF reagiu com ironia, ao perguntar se as pessoas achavam que ele iria mudar mesmo. Já um líder do Centrão comentou, segundo apuração da CNN, que a retórica é Bolsonaro sendo Bolsonaro.

No novo episódio do Horário de Brasília, Daniela Lima e Renata Agostini também revelam os últimos movimentos da corrida eleitoral. A dupla comenta o lançamento da candidatura da senadora Simone Tebet (MDB), a “Figurinha da Semana”.

O podcast descreve também a investida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no exterior e como ele tem estimulado aliados a seguirem tentando convencer o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin a formar uma aliança.

Apresentado por Daniela e Renata, o Horário de Brasília é transmitido ao vivo e com vídeo no site da CNN Brasil e no canal da emissora no YouTube, às sextas-feiras, a partir de 12h30. Depois, os episódios podem ser acessados on demand nas principais plataformas de podcast: Apple Podcasts, Spotify, Amazon Podcasts e Deezer.

Confira também os outros podcasts da CNN Brasil, e inscreva-se no canal no YouTube.

Mais Recentes da CNN