Fernando Molica: Moro namorou com autoritarismo quando aceitou ser ministro

No quadro Liberdade de Opinião desta quarta-feira (24), o comentarista analisa as críticas do ex-ministro ao ex-presidente Lula

Gabriel Fernedada CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

No Liberdade de Opinião desta quarta-feira (24), Fernando Molica analisou as declarações do ex-ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro, em entrevista exclusiva à CNN.

Durante a entrevista ao âncora William Waack, Moro fez críticas ao ex-presidente Lula, dizendo que o petista “flerta com autoritarismo” e não teria vencido as eleições de 2018 mesmo se tivesse tido a oportunidade de se candidatar.

Para Molica, o ex-juiz flertou com o autoritarismo no momento em que aceitou ser ministro do governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Ele também criticou alguns posicionamentos do ex-magistrado durante seus trabalhos na Operação Lava Jato.

“O próprio Sergio Moro mais que flertava, ele namorou, casou com o autoritarismo quando aceitou ser ministro de um presidente que, ao longo da vida pública, defendia ditadura. Esse flerte com o autoritarismo, Moro devia olhar para o passado dele e a atuação dele como juiz, quando decretava prisões preventivas longas para forçar delações premiadas”, disse Molica.

Em outro momento do quadro, o analista também criticou o ex-presidente Lula, após a polêmica comparação feita pelo petista entre a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega.

“São situações bem diferentes. Angela Merkel foi renovando sua participação por decisão democrática refletida no Parlamento. Daniel Ortega chegou ao poder numa revolução importante, mas com o tempo foi se tornando um ditador. Foi uma declaração infeliz.”

O Liberdade de Opinião teve a participação de Fernando Molica e Ricardo Baronovsky. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.

Mais Recentes da CNN