Baronovsky: Eleitores de Alckmin e Lula são como água e óleo, não se misturam

No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (16), Ricardo Baronovsky falou sobre possível união de rivais históricos para candidatura ao Planalto em 2022

Fabrizio Neitzkeda CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (16), o comentarista Ricardo Baronovsky falou sobre a saída de Geraldo Alckmin, ex-governador do estado de São Paulo, do PSDB, após 33 anos no partido. A desfiliação foi confirmada na véspera pelas redes sociais e agitou o cenário político.

Alckmin não afirmou se irá se filiar a um novo partido, mas disse que deve anunciar seus próximos passos na carreira política “em breve”. Há dias, o agora ex-tucano vem sido especulado como um possível integrante em uma chapa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, para as eleições de 2022. A dupla é aguardada para um evento da Força Sindical em Mongaguá, no litoral paulista, neste final de semana.

Para Baronovsky, a possível união de forças causa estranheza, já que Alckmin e Lula sempre tiveram “papeis antagonistas” no cenário político – os dois se enfrentaram no segundo turno das eleições presidenciais de 2006. “Algumas vozes isoladas diziam não ver muita diferença ideológica entre os candidatos. Agora a cortina cai e mostra que a linha de pensamento anda muito próxima”, disse.

O comentarista também destacou que Alckmin, apesar do histórico de três décadas no PSDB, preferiu deixar o partido que ajudou a fundar a se aliar ao atual governador de São Paulo, João Doria, que o sucedeu no Palácio dos Bandeirantes. Na sua visão, o ato demonstra um “racha” muito forte na sigla.

O cenário das eleições de 2022 também foi ponto de debate. Baronovsky disse ser cético quanto a aliança entre o ex-governador e o PT, acreditando que o eleitorado das duas partes deve ter dificuldade para aceitar um ao outro.

Segundo o professor, uma eventual escolha de Alckmin por Lula seria um aceno ao empresariado, mas poderia custar caro ao petista. “Será que os eleitores do Lula receberão bem o Alckmin? Será que os eleitores do Alckmin receberão bem o Lula?”, questionou.

“Parece água e óleo. Os dois não se misturam. Será um grande problema não só nas eleições, saber qual dos dois terá alinhamento político. Mas, uma vez eleitos, como fica a governabilidade do país? São dois candidatos que sempre degladiaram. Será que teremos união?”

O Liberdade de Opinião teve a participação de Thiago Anastácio e Ricardo Baronovsky. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.

Mais Recentes da CNN