Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Xangai mira ponto de virada no combate à Covid-19 até o dia 20 de abril

    Cidade tornou-se o epicentro do maior surto no país desde a identificação do vírus em Wuhan, no final de 2019

    Trabalhadores usando equipamentos de proteção individual transferem suprimentos diários de alimentos para os moradores locais durante o bloqueio contra a Covid-19 em Xangai
    Trabalhadores usando equipamentos de proteção individual transferem suprimentos diários de alimentos para os moradores locais durante o bloqueio contra a Covid-19 em Xangai Foto: STR/AFP/Getty Images

    Da Reuters

    Xangai

    Ouvir notícia

    A cidade de Xangai estabeleceu uma meta para impedir a propagação da Covid-19 fora das áreas em quarentena até quarta-feira (20), disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto, o que permitirá à cidade aliviar seu lockdown e começar a retornar à vida normal à medida em que cresce a frustração da população com o cerco.

    A meta exigirá que as autoridades acelerem os testes de Covid-19 e a transferência de casos positivos para os centros de quarentena, de acordo com discurso de um membro local do Partido Comunista no sábado (16), cuja cópia foi vista pela Reuters.

    Xangai se tornou o epicentro do maior surto da China desde que o vírus foi identificado pela primeira vez em Wuhan no final de 2019 e registrou mais de 320 mil infecções por Covid-19 desde o início de março deste ano, quando a onda teve início.

    Os moradores de Xangai, frustrados com o cerco, usaram as mídias sociais para desabafar contra as autoridades locais por dificuldades na obtenção de alimentos, perda de renda, separação entre familiares e más condições nos centros de quarentena. As tensões geraram alguns protestos e confrontos com a polícia.

    A nova meta de Xangai de “Covid-zero em transmissões comunitárias” até 20 de abril foi comunicada nos últimos dias aos quadros do Partido Comunista da cidade e a organizações como escolas, segundo as fontes, que se recusaram a ser identificadas porque a informação não é pública.

    Mais Recentes da CNN