Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Presidente da Ucrânia pede que russos protestem contra tomada de usina nuclear

    "Povo russo, quero apelar a você: como isso é possível? Afinal, lutamos juntos em 1986 contra a catástrofe de Chernobyl", disse Volodymyr Zelensky

    Natalia ZinetsPavel Polityukda Reuters

    em Lviv

    Ouvir notícia

    O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou aos russos, nesta sexta-feira (4), para realizar protestos contra a tomada da maior usina nuclear da Europa pelas forças russas.

    Um prédio da usina nuclear de Zaporizhzhia foi incendiado durante intensos combates, disseram autoridades ucranianas nesta sexta-feira, provocando temores de um possível desastre nuclear. O fogo foi posteriormente extinto.

    “Povo russo, quero apelar para você: como isso é possível? Afinal, lutamos juntos em 1986 contra a catástrofe de Chernobyl”, disse ele em um discurso televisionado, evocando memórias do pior desastre nuclear do mundo.

    “Vocês têm que ir às ruas e dizer que você quer viver, você quer viver na Terra sem contaminação radioativa. A radiação não sabe onde está a Rússia, a radiação não sabe onde estão as fronteiras do seu país.”

    O Ministério da Defesa da Rússia culpou o ataque no local da usina nuclear de Zaporizhzhia a sabotadores ucranianos, chamando-o de uma provocação monstruosa.

    As forças russas que invadiram a Ucrânia na semana passada já capturaram a extinta usina de Chernobyl ao norte de Kiev, que expeliu resíduos radioativos em grande parte da Europa após um acidente em abril de 1986.

    Analistas disseram que a central nuclear de Zaporizhzhia é diferente e mais segura, mas Zelensky disse que agora não é hora de ficar em silêncio.

    “Você tem que se lembrar do grafite em chamas espalhado pela explosão, as vítimas. Você tem que se lembrar do brilho sobre a unidade de energia destruída, a evacuação”, disse ele.

    “Como você pode esquecer isso? E se você não esqueceu, você não deve ficar em silêncio.”

    Mais Recentes da CNN