Presidente da Ucrânia diz que grupo planejava “golpe” contra ele em dezembro

Zelensky afirmou que o golpe estava previsto para o dia 1º ou 2 de dezembro e que há um áudio com discussão dos planos

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy 26/11/2021Serviço de Imprensa da Presidência Ucraniana/ Divulgação via REUTERS

Katharina KrebsAnna Chernovada CNN

Ouvir notícia

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse nesta sexta-feira (26) que um grupo de ucranianos e russos planejavam um golpe contra ele no começo de dezembro.

Em uma coletiva de imprensa, Zelensky afirmou que o golpe estaria previsto para o dia 1º ou 2 de dezembro, e que há um áudio trocado entre conspiradores ucranianos e russos no qual se discute o plano.

O Kremlin negou as alegações de Zelensky de que o país teria envolvimento no caso.

“A Rússia nunca teve nenhum plano em se envolver em algo do gênero. Em geral, a Rússia nunca se envolve nesse tipo de situação”, afirmou o porta-voz Dmitry Peskov em uma conferência virtual com jornalistas nesta sexta.

Manobras nas fronteiras

Há semanas que autoridades do Ocidente expressam preocupação crescente em relação às atividades militares de Moscou na fronteira com a Ucrânia, com os Estados Unidos considerando impor sanções se a Rússia invadir a Ucrânia.

“Não sabemos quais as intenções do presidente Putin, mas sabemos o que aconteceu no passado”, disse Anthony Blinken, secretário de Estado dos EUA, durante uma viagem ao Senegal na última semana.

Ele fez referência às incursões militares, conhecidas ou não, da Rússia nos países vizinhos.

O chefe da Agência de Inteligência em Defesa da Ucrânia, o brigadeiro general Kyrylo Budanov, afirmou ao jornal americano Military Times que a Rússia estava aumentando o número de tropas e o nível de suas armas na península da Crimeia em preparação para uma ofensiva que poderia ocorrer a qualquer momento.

O Kremlin, por sua vez, afirmou repetidamente que a Rússia não tem planos de invadir a Ucrânia, acusando os países ocidentais de “histeria” sobre o tema.

*Esta matéria foi traduzida. Leia a original, em inglês

Mais Recentes da CNN