Absolvição de atirador que disparou em ato racial gera manifestações nos EUA

Após decisão, manifestantes em Nova York fecharam a ponte do Brooklyn, e em Portland, Oregon, eles forçaram a abertura do portão de uma prisão

Kyle Rittenhouse foi considerado inocente pelas mortes a tiros de duas pessoas durante protestos no ano passado.
Kyle Rittenhouse foi considerado inocente pelas mortes a tiros de duas pessoas durante protestos no ano passado. Reuters

Andy RoseTheresa Waldropda CNN*

Ouvir notícia

Protestos isolados eclodiram em todo o país na sexta-feira depois que um júri em Kenosha, Wisconsin, considerou Kyle Rittenhouse inocente pelas mortes a tiros de duas pessoas durante protestos no ano passado.

Em Nova York, os manifestantes fecharam a ponte do Brooklyn, e em Portland, Oregon, eles forçaram a abertura do portão de uma prisão, levando o gabinete do xerife do condado de Multnomah a declarar uma rebelião.

“A multidão, que foi descrita como hostil, jogou urina, bebidas alcoólicas, garrafas de água e baterias nos representantes durante o caso”, disse o gabinete do xerife em um comunicado à imprensa na manhã de sábado.

Os protestos não chegaram nem perto do alcance daqueles que seguiram à morte de George Floyd no verão de 2020, incluindo aquele em Kenosha, durante o qual Rittenhouse atirou e matou duas pessoas e feriu outra.

Ainda assim, algumas pessoas ficaram claramente irritadas que Rittenhouse tenha sido inocentado de todas as cinco acusações contra ele, incluindo homicídio intencional de primeiro grau, homicídio imprudente de primeiro grau, tentativa de homicídio intencional de primeiro grau e duas acusações de segurança de primeiro grau de forma imprudente.

Rittenhouse alegou legítima defesa nos tiroteios.

O Departamento de Polícia de Portland disse que vândalos quebraram as janelas da gráfica da prefeitura.

“Vandalismo também foi feito ao prédio do Centro de Justiça”, disse o Departamento de Polícia de Portland. Uma imagem divulgada pela polícia mostrou grafites pintados com spray, incluindo a mensagem “Todos os policiais são Kyles”.

Uma prisão foi feita, além de cinco citações e 17 advertências emitidas, disse a polícia.

Em Nova York, os protestos começaram no Brooklyn, depois passaram pela ponte do Brooklyn e entraram na parte baixa de Manhattan, informou a afiliada da CNN WABC. A ponte foi fechada brevemente.

O Departamento de Polícia de Nova York usou o Twitter para aconselhar as pessoas a evitar a ponte que liga a Manhattan e esperar fechamentos e atrasos na área.

Em Oakland, Califórnia, uma multidão marchou da prefeitura até o prédio federal, gritando “Revolução, nada mais”, de acordo com a afiliada da CNN KGO.

Manifestantes em Chicago marcharam no centro da cidade na sexta-feira à noite em meio a uma “grande presença policial”, relatou a afiliada da CNN WBBM.

Um segundo protesto está planejado para a tarde de sábado nos Estados Unidos.

Em Kenosha, cerca de 65 milhas ao norte no Lago Michigan, as coisas estavam “muito calmas”, relatou Natasha Chen da CNN.

Lá, as famílias das vítimas de Rittenhouse estavam aceitando o veredicto.

“Ainda estamos em choque”, disse o pai de Anthony Huber, uma das vítimas, para Fredricka Whitfield da CNN no sábado.

“Aquele cara [Rittenhouse] consegue correr livre e agora é um herói, e este é meu filho bem aqui. Este é Anthony”, disse John Huber, segurando uma pequena urna e uma foto de seu filho. “Perdemos nosso filho e não há justiça agora para nossa família e não há conclusão.”

“Se a vida de uma pessoa, ou a vida de duas pessoas não importa, então nenhuma de nossas vidas importa”, disse Kariann Swart, noiva da vítima Joseph Rosenbaum, à CNN. “Parece que a vida das vítimas não importa. E não acho que isso seja aceitável.”

A tia-avó de Anthony Huber disse a Chris Cuomo da CNN que, embora “as pessoas tenham direito à autodefesa”, seu sobrinho-neto “também tinha direito à vida”.

“Kyle fica em uma situação difícil em termos de maturidade emocional para lidar com isso, vai embora depois de matar duas pessoas e mutilar seriamente outra. Isso não parece justo”, disse a tia-avó, Susan Hughes, à Sara Sidner da CNN.

Em um trailer de um documentário de Tucker Carlson, Rittenhouse disse que o júri chegou ao veredicto certo.

“Auto-defesa não é ilegal”, disse ele.

Os preparativos para uma ação civil estão em andamento pela morte de seu filho, disse John Huber no sábado, mas ele não forneceu detalhes.

“Vamos lutar até que haja justiça”, disse ele.

Com colaboração de: Melissa Alonso, Raja Razek e Sara Sidner 

* (Texto traduzido. Clique aqui para ler o original).

Mais Recentes da CNN