Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Senado dos EUA apresenta projeto para proibir importações de urânio russo

    Projeto de lei vem em momento em que o governo Joe Biden avalia sanções contra a empresa de energia nuclear russa Rosatom

    Usina Nuclear Geração 3 em Novovoronezh, na Rússia
    Usina Nuclear Geração 3 em Novovoronezh, na Rússia Flávia Villela/Agência Brasil

    Timothy Gardnerda Reuters

    Washington

    Ouvir notícia

    Senadores republicanos dos Estados Unidos apresentaram nesta quinta-feira (17) um projeto de lei para proibir as importações norte-americanas de urânio russo para punir Moscou por sua invasão da Ucrânia.

    O projeto de lei vem no momento em que o governo Joe Biden está avaliando as sanções contra a empresa de energia nuclear russa Rosatom, uma importante fornecedora de combustível e tecnologia para usinas de energia em todo o mundo. A proibição do governo às importações norte-americanas de energia russa, como petróleo e gás natural liquefeito, ainda não inclui urânio.

    “Embora a proibição das importações de petróleo, gás e carvão russos seja um passo importante, não pode ser o último”, disse o senador John Barrasso, que apresentou o projeto.

    Barrasso representa Wyoming, um estado que poderia se beneficiar de uma revitalização na mineração de urânio nos EUA.

    “Proibir as importações de urânio da Rússia irá diminuir ainda mais a máquina de guerra da Rússia, ajudar a reviver a produção de urânio americana e aumentar nossa segurança nacional”, acrescentou.

    Os Estados Unidos têm mais de 90 reatores nucleares, mais do que qualquer outro país, e dependem fortemente das importações de urânio. O urânio russo representou 16% das compras dos EUA em 2020, de acordo com a Energy Information Administration, com Canadá e Cazaquistão fornecendo 22%.

    A Rússia também fornece um combustível chamado urânio de baixo ensaio altamente enriquecido (HALEU), que é enriquecido em até 20% e pode ser usado em usinas nucleares avançadas que devem ser desenvolvidas no final desta década ou na década de 2030.

    Os Estados Unidos provavelmente precisariam agir rapidamente na construção de maior capacidade doméstica para fornecer HALEU se uma proibição fosse promulgada.

    Kathryn Huff, que foi nomeada pelo presidente Joe Biden para ser secretária assistente de energia nuclear e agora é uma autoridade sênior do Departamento de Energia dos EUA, disse a Barrasso em sua audiência de nomeação nesta quinta-feira: fora de fontes instáveis ​​e não confiáveis ​​de nossos combustíveis críticos, incluindo urânio.”

    O Instituto de Energia Nuclear, o principal grupo comercial do setor, apoia o desenvolvimento de uma indústria de urânio dos Estados Unidos. Muitos grupos e tribos ambientalistas se opuseram à expansão da indústria em terras no oeste americano.

     

    Mais Recentes da CNN