Cyber Monday: entenda o que é a data e a diferença para a Black Friday

Evento surgiu em 2005 nos Estados Unidos e oferece descontos para compras no e-commerce

Cyber Monday foi criada para incentivar compras no e-commerce
Cyber Monday foi criada para incentivar compras no e-commerce rupixen.com/Unsplash

João Pedro Malardo CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

A Black Friday já se tornou o segundo evento anual mais importante para o varejo brasileiro, mas além dela há também a Cyber Monday. As duas surgiram nos Estados Unidos, mas a primeira tem foco no varejo físico, enquanto a segunda foi pensada para o e-commerce.

A Cyber Monday acontece na primeira segunda-feira após a Black Friday. Neste ano, ela será em 29 de novembro.

Apesar do nome “cyber”, o evento não é voltado para produtos cibernéticos. Na verdade, o objetivo da data é oferecer descontos para quem quer realizar compras no comércio virtual.

No Brasil, porém, a Cyber Monday ainda não é muito conhecida do público. Um levantamento da consultoria GfK indica que apenas 40% da população conhecem a data.

Qual a diferença entre a Black Friday e a Cyber Monday?

A Black Friday surgiu antes da Cyber Monday. A partir da década de 1990 a Black Friday passou a ser usada pelo varejo do país para se referir à sexta-feira posterior ao dia de Ação de Graças, com uma oferta de grandes descontos. Com isso, o termo se tornou sinônimo de um evento do varejo para realizar grandes queimas de estoque antes do Natal.

A Cyber Monday surgiria alguns anos depois, em 2005. A data foi criada para incentivar a realização de descontos por parte dos sites de compras, em uma época em que o e-commerce ainda era recente e pouco conhecido. Além disso, ela buscava incentivar à adesão do público à nova forma de compra.

Como na década de 1990 as compras eram feitas quase que inteiramente no varejo físico, a Black Friday ainda é bastante associada no país a esse setor, enquanto o e-commerce trabalha com a Cyber Monday.

Cyber Monday no Brasil

As duas datas vieram para o Brasil oficialmente no mesmo ano, em 2011. O responsável foi o portal Busca Descontos, que registrou os domínios dos sites para a Black Friday e a Cyber Monday.

Mas a data possui algumas particularidades em relação à versão original. No Brasil, os varejistas não realizam queimas de estoque nessa época do ano, e a data acaba sendo usada para vender lançamentos e produtos mais novos com grandes descontos.

Outra diferença é que o período de descontos foi além do dia em si, e passou a englobar todo o mês de novembro. Isso acabou representando um problema para a Cyber Monday, que foi “engolida” pela data, que também foi bastante abraçada pelo e-commerce brasileiro.

Uma pesquisa da consultoria GfK aponta que as semanas de novembro anteriores à da Black Friday corresponderam a 40% do valor das vendas no mês em 2020, ante 37% em 2019 e 36% em 2018. Já a semana posterior, em que a Cyber Monday ocorre, correspondeu a 19% em 2020, 17% em 2017 e 18% em 2018. A Black Friday ainda concentra o maior valor, com 42%, 46% e 46% em cada ano.

Entretanto, a semana da Cyber Monday contou com uma parcela de descontos maior que a das semanas anteriores à Black Friday, com a maioria variando entre 10% e 15%. Atualmente, 40% dos que pretendem comprar na Black Friday sabem o que é a Cyber Monday.

“A Cyber Monday discretamente ganha importância, mas isso demanda uma visão mais ampla do período, e o varejo conseguir aproveitar o pós-Black Friday e oferecer ofertas”, diz Fernando Baialuna, diretor de negócios e varejo da GfK.

Para ele, é necessário melhorar a comunicação sobre a data, dando um propósito a ela e expandindo o alcance para além do público mais jovem e de classes A e B, que são os grupos que mais conhecem a Cyber Monday.

Em geral, a Cyber Monday exige os mesmos cuidados que a Black Friday, sendo importante ficar atento a grandes descontos, possíveis golpes e os falsos descontos, de produtos cujos preços subiram antes da data. Confira outras dicas:

Mais Recentes da CNN