Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bloqueios contra Covid-19 na China são ameaça crescente à economia global

    Restrições rigorosas dissiparam quaisquer expectativas de que o país possa relaxar sua abordagem de tolerância zero em relação à pandemia

    Agente de saúde com roupa de proteção faz teste de Covid-19 em morador de complexo residencial em Xian, na China: Crise no país também é um problema para o mundo
    Agente de saúde com roupa de proteção faz teste de Covid-19 em morador de complexo residencial em Xian, na China: Crise no país também é um problema para o mundo cnsphoto via REUTERS

    Laura Heda CNN

    Ouvir notícia

    O ​​compromisso inabalável da China de acabar com a Covid-19 ao isolar grandes cidades como Xangai ameaça causar um forte choque em sua vasta economia, colocar mais pressão nas cadeias de suprimentos globais e aumentar a inflação de combustível.

    Xangai — lar do principal centro financeiro da China e de alguns de seus maiores aeroportos e mares — está trancada há 12 dias e não há sinal de que termine.

    Pequenas empresas foram duramente atingidas, com lojas e restaurantes sendo forçados a fechar. A Tesla, assim como muitos fabricantes chineses e taiwaneses, não sabem ao certo quando podem reiniciar suas fábricas.

    Enquanto isso, os atrasos nos portos estão piorando e as taxas de frete aéreo estão subindo, pressionando ainda mais o comércio global.

    As restrições rigorosas dissiparam quaisquer expectativas de que o país possa relaxar sua abordagem de tolerância zero em relação à Covid-19.

    “Os casos crescentes em Xangai convenceram os principais líderes de que não há meio-termo entre Covid-zero e viver com Covid. De agora em diante, o bloqueio rápido pode ser a estratégia predominante”, disse Larry Hu, economista-chefe da Grande China no Macquarie, em um relatório de pesquisa esta semana.

    O presidente Xi Jinping prometeu “minimizar” o impacto econômico de sua política de Covid, mas a deterioração da situação em Xangai — e o bloqueio prolongado — levantam questões difíceis sobre a abordagem de Pequim aos surtos de Ômicron, uma variante muito mais infecciosa do vírus original.

    “A variante Ômicron é altamente infecciosa e tornou-se cada vez mais desafiador para a China atingir seus objetivos de ‘zero-Covid’, enquanto a maioria dos outros países opta por uma abordagem de ‘viver com Covid’”, Ting Lu, diretor administrativo e economista-chefe da China para Nomura, escreveu em uma nota no início desta semana.

    Ele acredita que o aumento de casos na China e os crescentes bloqueios em Xangai e várias outras cidades suprimirão a atividade em uma ampla gama de setores, incluindo serviços pessoais, viagens, logística, construção e algumas manufaturas.

    “Os custos econômicos podem ser impressionantes”, disse Lu, acrescentando que os investidores globais podem estar “subestimando” o impacto da política de zero Covid da China em sua economia e nos mercados.

    Negócios prejudicados

    Desde o mês passado, bloqueios totais ou parciais foram implementados em cerca de 23 cidades, de acordo com as últimas estimativas do Nomura. Essas cidades têm cerca de 193 milhões de habitantes combinadas — 13,6% da população da China — e contribuem com 23 trilhões de yuans (US$ 3,6 trilhões) do PIB — 22% da economia do país.

    “Esses números podem subestimar significativamente o impacto total, já que muitas outras cidades estão testando em massa distrito por distrito, e a mobilidade foi significativamente restrita na maior parte da China”, disse Lu.

    Até quinta-feira, pelo menos 40 empresas chinesas foram forçadas a suspender as operações em Xangai e outras regiões, de acordo com registros da bolsa de valores em Xangai, Shenzhen e Pequim.

    Enquanto isso, mais de 90 empresas taiwanesas relataram que suas operações em Xangai e na cidade vizinha de Kunshan foram afetadas pelos bloqueios, incluindo a fabricante de placas de circuito impresso Unimicron Technology e a fabricante de bicicletas Giant Manufacturing, de acordo com registros da Bolsa de Valores de Taiwan.

    Feridas crescentes

    O Banco Mundial e alguns bancos de investimento alertaram recentemente que os danos causados ​​pela política de zero Covid da China à economia estão crescendo.

    O Banco Mundial reduziu na terça-feira (5) a previsão de crescimento da China para 2022, estimando que a segunda maior economia do mundo agora crescerá 5% este ano, bem abaixo dos 8,1% do ano passado. Isso também é inferior à meta oficial da China de cerca de 5,5%.

    “A continuação das políticas de zero Covid da China diante da variante Ômicron prejudicará a atividade econômica na China e terá repercussões negativas no resto da região”, disse o Banco Mundial em sua última atualização econômica para a região do Leste Asiático e Pacífico.

    O Goldman Sachs manteve na segunda-feira (4) sua previsão de crescimento para a China em 2022 em 4,5%, um ponto abaixo da meta oficial de crescimento. Mas o banco apontou que o último surto e o bloqueio em Xangai estão começando a “pesar mais” na atividade econômica na China.

    O Citi, por sua vez, disse que a onda Ômicron poderia reduzir o crescimento do PIB da China em 1 ponto percentual no primeiro trimestre.

    Uma onda Ômicron prolongada poderia deduzir entre 0,6 e 0,9 ponto percentual do crescimento do PIB no segundo trimestre, estimou em um relatório desta semana.

    Poderia ficar pior

    O bloqueio de Xangai ocorre em um momento em que a economia do país já está com dificuldades.

    Serviços e manufatura foram duramente atingidos no mês passado. O Índice de Gerentes de Compras Caixin (PMI) para serviços registrou seu declínio mais acentuado desde o surto inicial de Covid-19 em Wuhan em fevereiro de 2020.

    O PMI de manufatura da Caixin também contraiu no ritmo mais rápido em dois anos. A deterioração das condições econômicas também se refletiu nos dados oficiais do PMI.
    Os dados de abril podem ser ainda piores, alertaram economistas, já que os bloqueios continuam prejudicando a demanda doméstica.

    “Após várias rodadas de bloqueios, muitos indivíduos estão desgastados, desempregados ou subempregados e drenaram suas economias a um nível em que agora precisam reduzir os gastos”, disse Lu, de Nomura.

    Efeitos colaterais

    A crise na China também é um problema para o mundo.

    O Banco Mundial classificou a desaceleração da China como um dos maiores choques enfrentados pelas economias asiáticas este ano, com a guerra na Ucrânia e os aumentos de juros pelo Fed.

    A situação em Xangai, que tem o maior porto de contêineres do mundo, fez com que os atrasos nos embarques piorassem, colocando mais pressão nas cadeias de suprimentos globais.

    Embora as autoridades chinesas tenham dito que o porto de Xangai continua operacional, dados da indústria mostraram na semana passada que o número de navios esperando para carregar ou descarregar disparou para um recorde histórico.

    “Os desligamentos afetam as cadeias de suprimentos de vários ângulos, incluindo fechamentos de fábricas, lentidão nos portos e falta de motoristas de caminhão”, disse Zvi Schreiber, CEO da plataforma de reservas de frete Freightos, com sede em Hong Kong.

    Poderia causar “pressões inflacionárias extras” sobre bens importados da China.

    As taxas de frete aéreo também estão subindo. Todos os voos de passageiros para Xangai, um dos aeroportos mais movimentados do mundo, foram cancelados. Schreiber disse que as taxas de carga aérea entre Xangai e o norte da Europa aumentaram 43% na semana passada em relação ao nível anterior ao surto.

    O fechamento de fábricas em Xangai e cidades vizinhas pode aumentar as interrupções nas principais cadeias de suprimentos de eletrônicos e automotivos.

    Por exemplo, a Unimicron Technology, com sede em Kunshan, fornece placas de circuito impresso para clientes como a Apple, enquanto a Eson Precision é uma afiliada da Foxconn, que fabrica iPhones. A Eson Precision também fornece componentes para a Tesla.

    “É muito provável que, dada a gravidade do atual surto na China, as cadeias de suprimentos de eletrônicos e automotivos sofram interrupções significativas devido a interrupções de fornecedores nos próximos 7 a 10 dias”, disse Julie Gerdeman, CEO da empresa de análise de cadeia de suprimentos Everstream.

    — O escritório da CNN em Pequim contribuiu para este relatório.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN