Biden assina lei que proíbe produtos de Xinjiang, na China, por trabalho forçado

Lei de Prevenção ao Trabalho Forçado Uigur é parte da reação dos Estados Unidos contra o tratamento de Pequim à minoria muçulmana uigur da China

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden sancionou na quinta-feira (23) uma lei que proíbe as importações da região chinesa de Xinjiang
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden sancionou na quinta-feira (23) uma lei que proíbe as importações da região chinesa de Xinjiang UN Climate Change/Kiara Worth

Reuters

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, sancionou na quinta-feira (23) uma lei que proíbe as importações da região chinesa de Xinjiang devido a preocupações com trabalho forçado, disse a Casa Branca, provocando a condenação da medida por parte da China.

A Lei de Prevenção ao Trabalho Forçado Uigur é parte da reação dos Estados Unidos contra o tratamento de Pequim à minoria muçulmana uigur da China, que Washington rotulou de genocídio.

O projeto foi aprovado no Congresso este mês depois que os legisladores chegaram a um acordo entre as versões da Câmara e do Senado.

A chave para a legislação é uma “presunção refutável” que assume que todos os bens de Xinjiang, onde Pequim estabeleceu campos de detenção para uigures e outros grupos muçulmanos, são feitos com trabalho forçado. O texto proíbe as importações, a menos que possa ser provado o contrário.

Alguns produtos – como algodão, tomate e polissilício usados ​​na fabricação de painéis solares – são designados de “alta prioridade” para ação de fiscalização. A China nega abusos em Xinjiang, um grande produtor de algodão que também fornece grande parte dos materiais mundiais para painéis solares.

A embaixada da China em Washington disse que o ato “ignora a verdade e calunia maliciosamente a situação dos direitos humanos em Xinjiang”.

“Esta é uma violação grave do direito internacional e das normas de relações internacionais e uma grande interferência nos assuntos internos da China. A China condena veementemente e a rejeita com firmeza”, disse o porta-voz da embaixada Liu Pengyu em um comunicado por e-mail.

Ele disse que a China “responderia mais à luz do desenvolvimento da situação”, mas não deu mais detalhes. Em uma declaração na sexta-feira (24), o Ministério das Relações Exteriores da China expressou sua “forte indignação e oposição resoluta” à legislação.

“As alegações de ‘trabalho forçado’ e ‘genocídio’ em Xinjiang não passam de mentiras perversas promovidas pelas forças anti-China”, disse o comunicado.

Os Estados Unidos estão se engajando em “manipulação política e intimidação econômica sob o pretexto dos direitos humanos” e estão tentando “minar a prosperidade e estabilidade de Xinjiang e conter o desenvolvimento da China”, acrescentou o documento.

Nury Turkel, vice-presidente uigur-americano da Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional, disse à Reuters neste mês que a eficácia do projeto de lei dependeria da disposição do governo Biden em garantir que seja eficaz, especialmente quando as empresas buscam renúncias.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse que a aprovação da lei por Biden ressalta o “compromisso dos Estados Unidos em combater o trabalho forçado, inclusive no contexto do genocídio em curso em Xinjiang”.

“O Departamento de Estado está empenhado em trabalhar com o Congresso e nossos parceiros interagências para continuar a combater o trabalho forçado em Xinjiang e fortalecer a ação internacional contra esta violação flagrante dos direitos humanos”, disse ele em um comunicado.

Um dos coautores do projeto de lei, o senador democrata Jeff Merkley, disse que era necessário “enviar uma mensagem retumbante e inequívoca contra o genocídio e o trabalho escravo”.

“Agora … podemos finalmente garantir que os consumidores e empresas americanas possam comprar produtos sem cumplicidade inadvertida nos horríveis abusos dos direitos humanos na China”, disse ele em um comunicado.

Em seus últimos dias em janeiro, o governo Trump anunciou a proibição de todos os produtos de algodão e tomate de Xinjiang.

A agência de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos estimou então que cerca de US$ 9 bilhões em produtos de algodão e US$ 10 milhões em produtos de tomate foram importados da China no ano passado.

Reportagem adicional de Yong Xiong da CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN